MÍDIA CENTER

Isidório propõe UTI Móvel de plantão nos estádios de futebol

Publicado em: 04/08/2005 17:39
Setor responsável: Diário Oficial

O deputado Sargento Isidório, do PT, apresentou projeto de lei objetivando tornar obrigatória para as administrações dos estádios de futebol a manutenção nas dependências desses estádios, durante a realização das partidas de futebol, de uma unidade de ambulância UTI Móvel. E essa unidade, segundo ainda o projeto, deverá estar no local do evento com uma hora de antecedência do horário marcado para o início do jogo e só poderá ser retirada uma hora após o encerramento. Além disso, conforme também especificado na proposição que está tramitando com o número 14.648/2005, a unidade deverá ficar estacionada em local de fácil acesso, o mais perto possível dos vestiários e do campo de jogo, priorizando o atendimento aos atletas participantes do evento.

O projeto de Isidório prevê ainda que a unidade de UTI Móvel deverá estar equipada com oxigênio, monitor cardíaco, desfibrilador, respirador artificial, ventilador, aspirador, inalador, carro maca conversível, cadeira e bacia de expurgo. A proposta, conforme assinalado pelo autor ao justificá-la, busca propiciar aos atletas de futebol um atendimento emergencial rápido e eficiente no caso de alguma anormalidade ocorrer durante a sua permanên-cia nos estádios.

É importante frisar ? explica o representante petista ? que esse tipo de ocorrência não é tão raro. Ele argumenta em apoio a sua justificativa que o jornal O Globo mostra, em sua edição do dia 17 de janeiro de 2004, que estudos realizados sobre a incidência de morte súbita envolvendo atletas atestam que no período de um ano, na França, ocorreram em torno de 1,5 mil casos em meio a um total de 11 milhões de atletas. Na Itália, o índice foi de 0,8 por 100 mil desportistas e nos Estados Unidos a proporção é de 0,7 por 100 mil.

Na opinião do Sargento Isidório, a permanência de uma UTI Móvel nos locais dos jogos proporcionaria um atendimento imediato e especializado, pois está comprovada a contra-indicação do translado de pacientes sem tratamento prévio e a excessiva demora no atendimento pode ser fatal. "Crise súbita tem como necessidade comum o atendimento imediato no local", garante.



Compartilhar: