MÍDIA CENTER

DIRETO DO PLENÁRIO

Publicado em: 19/06/2019 20:17
Setor responsável: Notícia

Divulgação/Agência/ALBA
A sessão ordinária desta quarta-feira (19), na Assembleia Legislativa, repercutiu a participação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado, onde tratou sobre as revelações de supostos diálogos com procuradores da Lava Jato quando ainda era juiz em Curitiba.



Em pronunciamento, o deputado Robinson Almeida (PT) reiterou que as informações trazidas pelo site The Intercept Brasil abalaram o país, retratando um escândalo sem precedentes. “Salta aos olhos o grau de cinismo de Moro ao professar evasivas em relação à sua atuação na condenação do ex-presidente Lula. Ele está dando um show de dissimulação no Senado, acuado, sem responder a maioria das perguntas, sem conseguir provar ao povo brasileiro que ele não tem culpa no cartório”, comentou.



A participação do ex-juiz também foi tratada por Jacó (PT), para quem as matérias publicadas até o momento denunciam uma grande mácula no Judiciário brasileiro. “Fizeram um julgamento parcial e perseguiram injustamente o nosso líder em uma grande armação; um conluio entre o juiz Moro e o procurador Dallagnol, que cometeram um crime de lesa-Pátria”, acusou o parlamentar, ao solicitar um posicionamento urgente das instituições, além da anulação do julgamento de Lula e das eleições presidências.



A deputada Fátima Nunes (PT) contou que esteve no município de Jeremoabo, onde participou da tradicional alvorada que integra os festejos juninos do município. A parlamentar destacou ainda uma reunião feita pela Secretaria estadual de Desenvolvimento Rural (SDR) com 192 apicultores e agricultores familiares da região na véspera da festa. Na ocasião, relatou a deputada, os trabalhadores foram agraciados com editais da Bahia Produtiva e crédito do BNDES para compra de equipamentos para a apicultura.



A deputada Maria del Carmen (PT) informou em seu discurso que deu entrada em um projeto de lei que propõe a proibição do uso de agrotóxicos a base da substância neonicotinoide em toda a Bahia. O texto protocolado sob o número 23.313/2019, segundo a petista, visa evitar a morte causada pelo inseticida às abelhas. “Esse produto é utilizado diretamente nas sementes e toda a planta é desenvolvida com sua presença, que provoca, nas abelhas, a perda da direção e consequente incapacidade de realizar a polinização”, explicou a petista.


Compartilhar: