MÍDIA CENTER

Presidente da ALBA destaca ex-secretário de Cultura pela atuação produtiva

Publicado em: 04/08/2020 21:09
Setor responsável: Notícia

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), deputado Nelson Leal (PP), externando perplexidade com a morte repentina do compositor, educador e escritor Jorge Portugal, apresentou moção de pesar na Casa para homenagear o artista, que também foi secretário estadual de Cultura. Portugal faleceu na noite desta segunda-feira (3), de falência cardíaca aguda, após se internar no Hospital Geral Roberto Santos, em Salvador. 


“É sempre uma triste notícia perder um amigo, mas ainda é mais chocante perder a inteligência e o brilho de uma pessoa como o santamarense Jorge Portugal, que nos deixa aos 63 anos – e que faria aniversário nesta quarta-feira, ainda com uma enorme perspectiva de nos brindar com mais produtos culturais – como literatura e música – além do professor que encantou diversas gerações estudantis com as suas aulas lúdicas e animadas”, anotou o parlamentar. 


Bastante consternado, o chefe do Poder Legislativo externou ainda sua solidariedade à família enlutada: “Nesse momento, só posso externar o meu abraço solidário aos familiares, nas pessoas de seus filhos, Thiago, Caetano Ignácio e Bárbara Bela”. 


No documento, Nelson Leal descreve a trajetória do professor e compositor Jorge Portugal, que nasceu em Santo Amaro, município do Recôncavo baiano, no dia 5 de agosto de 1956. “Formado em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, ganhou notoriedade nacional com o sucesso, em 1980, de sua composição A Massa, em parceira com Raimundo Sodré, no Festival da Nova MPB 80, da Rede Globo”, contou. O presidente Nelson Leal cita outros sucessos, como a letra de “Alegria da Cidade”, parceria com Lazzo Matumbi, e “Só Se Vê na Bahia”, em parceria com o seu conterrâneo e parceiro constante Roberto Mendes. “Portugal era professor de Língua Portuguesa e Redação e idealizou projetos culturais e educativos, como Aprovado, Tô Sabendo, Circulador Cultural e Manuel Faustino. É também autor dos livros Se escola fosse estádio e educação fosse Copa… e Redação: assim é fácil”, complementou. 




Compartilhar: