MÍDIA CENTER

Rogério Andrade Filho lamenta morte do compositor e professor

Publicado em: 06/08/2020 23:09
Setor responsável: Notícia

A morte do compositor e professor santamarense Jorge Portugal, no dia 3 de agosto, ensejou uma homenagem do deputado Rogério Andrade Filho (PSD) na Assembleia Legislativa, onde apresentou uma moção de pesar pelo falecimento do artista, a quem definiu como “um exemplo de garra e obstinação pela vida plena”.


Na moção, o deputado cita a desenvoltura de Jorge Portugal em programas educativos, em rádios e TVs, como o “Aprovado” e o quadro “É assim que se diz, é assim que se escreve”, ambos na TV Bahia. O legislador destaca também os cursos de Língua Portuguesa que ministrou em empresas como Petrobras, Copene, Caraíba Metais, Irdeb, entre outras, além do livro “Redação é assim”, adotado por cursinhos pré-vestibulares de Salvador.


Como compositor – lembra Rogério Andrade Filho – Jorge Portugal alcançou projeção nacional, em 1980, ao classificar a canção “A Massa”, em parceria com Raimundo Sodré, no Festival da Nova MPB 80, da Rede Globo; e, em 1985, ao defender, ao lado do parceiro Roberto Mendes, a música “Caribe, Calibre: Amor”, na mesma emissora de TV. Para o deputado, sua carreira artística foi “dedicada à tradução das mais genuínas manifestações da cultura brasileira, sem perder a sintonia com o que vai pelo mundo, nem com as influências contemporâneas”. 


No documento, o deputado enumera projetos culturais idealizados ou coordenados por Jorge Portugal, entre os quais o "Manuel Faustino", uma proposta de voluntariado, que propiciou aos estudantes pobres das escolas públicas um curso pré-vestibular inteiramente gratuito, reunindo os melhores professores de cursinhos da Bahia. “Por esse projeto, Jorge Portugal recebeu, em 1999, o prêmio Professor do Fantástico da Rede Globo”, registrou. 


“Este combatível guerreiro, sempre preocupado com os destinos de seus semelhantes, não se contentou com o ofício de professor, poeta-letrista, compositor, cantor. Entendeu que a política poderia servir de esteio para proporcionar melhores condições de vida dos seus semelhantes. Assim, a vida política também o atraiu, ficando à frente da Secretaria estadual da Cultura, entre 2015 e 2017, na gestão do atual governador Rui Costa”, destacou Rogério Andrade Filho. 




Compartilhar: