MÍDIA CENTER

Jacó aplaude Pola Ribeiro

Publicado em: 28/08/2021 07:25
Editoria: Notícia

O deputado Jacó Lula da Silva (PT) apresentou moção de aplausos ao diretor do Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA), Pola Ribeiro, “pelos relevantes serviços prestados à cultura no Estado”. O homenageado foi diretor do Irdeb de 2007 a 2014, membro titular do Conselho Superior de Cinema, do Conselho Consultivo da SAV e vice-presidente da Associação Brasileira das Emissoras Públicas, Educativas e Culturais (Abepec). De 2015 a 2016 foi secretário de Audiovisual do Ministério da Cultura. Pola é cineasta e gestor público formado em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (Ufba).

“Uma das mais importantes instituições culturais de Salvador e da Bahia, tanto por sua história e acervo quanto pelo patrimônio arquitetônico de sua sede, o Museu de Arte Moderna passou quase um ano sem diretor”, informa o parlamentar. Para ele, a ascensão de Pola Ribeiro fornece novos ares ao museu, “que já dá sinais de recuperação da sua dinâmica na vida da cidade”.

O MAM está localizado no Solar do Unhão, prédio histórico que fica na Avenida Contorno, tombado em 1943 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Foi adquirido pelo Estado na década de 60.

PROJETOS

“O MAM estava sem uma gestão desde fevereiro de 2020, quando ocorreu a exoneração de Hermano Guanais”, conta Jacó, lembrando que Pola assumiu em 15 de janeiro de 2021 com a meta de reformar a antiga construção e a instalação do acervo de Glauber Rocha, além de outros projetos. O deputado cita fala do gestor em que afirma: “Tenho consciência de que estou entrando para um projeto de curta distância, já que são os dois últimos anos de um governo de oito anos”.

“Estou com projetos muito mirabolantes, mas com o plano de reestruturar o museu e dar musculatura a ele” foi outra citação a Pola, que, segundo o Legislador, “pretende levar novamente ‘um pensamento’ à instituição, o que teria faltado neste período sem direção”. Neste sentido, os objetivos seriam: prestigiar o papel do curador, reforçar o trabalho educativo, fortalecer diálogos com outras linguagens artísticas como a música e a dança e se reaproximar da população local e de outras instituições de Salvador, além de reconectar o MAM com o Recôncavo, região com intensa influência da cultura e das religiões de matriz africana. “Nos últimos 20 anos, Salvador deu uma certa esnobada no Recôncavo, como se ela fosse Litoral Norte”, Jacó volta a citar Pola.



Compartilhar: